Mai 222020
 

Neste amencer de pombas indecisas
conversarei coas fontes
onde beben pesares cristalinos
as sombras que se axitan pola noite.
Esa lúa de prata
atopou o tesouro
que eu perdera na auga.

No laio dos farois agonizantes
evocarei os nomes
que acenderon lucernas balbucintes
nas fragas mestas onde os medos dormen.
Esa lúa de prata
atopou o tesouro
que eu perdera na auga.

Neste tremor de chumbo e de diamante
serei luz que se esconde
no ardor aceso que xerou os días
ou na xerfa esfiañada en surtidores.
Esa lúa de prata
atopou o tesouro
que eu pedera na auga.

No rubor das estrelas acaladas
achegareime á morte,
sentirei o feitizo dos seus ollos,
e o seu bico na fronte.

Moreno Márzquez, M. V. (2006), Elexías de luz

Mai 172020
 

Sorri-me, Luísa Sorriso.
Sempre ela está silenciosa,
pra non desfacer, falando,
o triángulo da sua boca.
Qué ben debe de saber
a améndoa da tua faciana,
mollada en mel do teu pelo.
¿Deixas-me probá-la?
Pero ti, sempre a sorrir,
calas.
Como unha fotografía
de ti mesma, silenciosa.
pra non desfacer, falando,
o triángulo da tua boca.
O triángulo da tua boca
forman-no duas gueivotas.
Duas, voadoras
e roxas.
Por un ceu de nubes brancas
e rosa,
voan,
unha porriba da outra.
Polo ceu da tua faciana.
Unha paira;
a outra
leva ergueitas as asas.
Paxareiro é o teu siléncio,
Luísa Sorriso, que as garda.
O cazador dunha verba
pode matá-las.

Carvalho Calero, R. (1934) O silencio axionllado

Thetetas Van
Mai 162020
 

Eu protesto contra mim mesmo
Eu já cansei de protestar contra os demais
Os demais não são piores do que eu sou

Os empresários não são piores que os operários
Os políticos não são piores que os seus votantes
Os sacerdotes não são piores que os seus fregueses
Os comandantes não são piores que os seus soldados

Tenho visto operários a dirigir empresas
Tenho visto votantes a gerir a presidência
Tenho visto fregueses a ministrar igrejas
Tenho visto soldados levar-nos até a guerra

E figérom o seu papel tão bem como o que antes figeram

Eu protesto contra mim mesmo

Eu protesto

Carvalho Calero, R.

Mai 152020
 

Non sei
se matei.
Estiven na trincheira.
Non vin
o meu nemigo.
Disparei.
Non sei
se matei.
Fun ferido.
Mais
non
sei
se
matei.
Toupa cega,
non teño outro ollo
que o ollo
do meu fusil.
Se cadra o ten visto
o meu nemigo.
Fun ferido.
Eu
non
sei
se matei.
Carvalho Calero, R., (1961-1980) (1982)  Futuro condicional 

Labazada. Se queres escoitar, preme aquí.

Alberte Lopez, André Ferreiro e Xoán Padín. Se queres escoitar, preme aquí.

Versión de Ruxe ruxe. Se queres escoitar, preme aquí

Mai 142020
 

Teño unha dor que me canta no peito
como unha rula en gaiola fechada.
Ela me fai arrincarme do leito
pra facer versos á lus da alborada.
Fun cazador incansable de estrelas
fixen con elas licor de ilusión.
O meu brasón son estrelas marelas
no campo roxo do meu corazón.
Miña canzón, miña dor latexante
é bolboreta do lume brilante
da outa fogueira da malenconía
das acedumes da vida trunfante.
Miña dor canta e eu déixoa que cante
porque sei ben ha finar algún día.

Carvalho Calero, R.

Versión de 2 na fronteira. Se queres escoitala, preme aquí.

Mai 132020
 

A Orquestra Filarmónica de Osaka,
em Bratislava interpreta
a Sétima Sinfonía.
Ásia digere Europa. O pragmatismo
asume o romantismo. O eslavismo
acolhe o germanismo. O sinecismo
sob o teu signo reina.
Ti, sobre o branco touro, bela
dos grandes olhos, navegaste
nom só o Mar Nosso, até Creta; tamém
os Sete Mares, conquistadora
do antigo e o novo mundo, com exércitos,
com inventos, e máquinas, e ideias,
espargendo a tua força, a tua graça,
a tua moda, a tua ciencia, a tua
técnica. E ainda que conservem
alguns povos vestigios de seu, matam
coas tuas armas, amam
cos teus beijos, falam coas tuas palabras,
mais cada vez, cada vez mais, Europa.
O maestro de oblíquos olhos
dirige a tua música
vestido co teu fraque, e estreita
coa tua mao a mao
do primeiro violino.
Só podem superar-te
os que te reconhecem
como mai ou madrasta, os criados
aos teus peitos, os assovalhados
polos teus pés, emancipados ou
manumitidos. Para ser senhores
de si mesmos, tenhem que ter sido
filos ou servos teus, e ao rebelar-se
contra ti, corroboram-te e proferem
na língua tua a fórmula
da sua independencia.
E podem renegar
de ti, porque lhes deste
a consciencia de serem eles próprios;
porque ti os concebeste ou os calcaste
co teu selo de fogo,
como no curro
dos montes da Barbança os bravos poldros
de esgrêvias crinas, tardos de domar.
Espalhada por cinco continentes,
vás como umha maré todo alagando.
Pagas o teu tributo aos que dominas.
Tem mais petróleo América; Japom,
mais cortesias e calculadoras.
Mas o mundo vai-se facendo Europa
enquanto Europa vai fazendo o mundo.
E o branco touro que me namorara,
polo espaço nadando chega à lua,
para desembarcar-te
en amorosas praias siderais,
onde génios, ou anjos,
ou deuses, a benvida che darám,
oh Europa dos redondos brancos peitos,
interpretando para ti os acordes
do final da Novena Sinfonia.

Carvalho Calero, R., (1986), Reticências

Versión de Tabula Rasa

Tabula Rasa

Versión de A Foice e Malvares de Moscoso

A Foice e Malvares do Moscoso

Mai 122020
 

Douscentos mil quilómetros

afastam-te de Vénus

Nom estranhes que o amor

nom te seja propício.

Desde a terra em que vives

até ao terceiro céu,

hai

demasiada distância.

De planeta a planeta

nom poderás voar

sem as asas de Eros

inseridas em Ares.

Vénus quando quer baixa

ao leito de um mortal:

diga-o Aeneas Pius.

A iniciativa sempre,

na conjunçom do amor,

é labor feminino.

Élitros de volalha

em ombros de almafi,

avondam para a deusa.

Tal como em para-quedas,

desce até aos teus oelhos,

rindo de anos de luz,

se for a sua vontade.

Mas se és tu que a procuras,

foguete potentíssimo

impelir-te só pode.

Se nom és astronauta,

melhor é que te deites

a esperar

aquela que talvez

nom tés de abraçar nunca.

Carvalho Calero, R. (1990), Reticéncias

Versión de Milhomes. Preme aquí para escoitala.

Mai 112020
 

ADMINISTRAR O CAPITAL DO NOSO DESTINO,
é unha forma de viver.
Querer trocar a moeda do nosso destino
é umha forma de morrer.
Aquilo é próprio de ti,
isto de min.
Vive, pois, Phoénix, a tua vida,
mentras eu morro a miña morte.
Hai um além que se chama autenticidade,
onde, se cadra, a tua vida e a minha morte
convergirám, como paralelas no infinito,

Carvalho Calero, R., (1980) Cantigas de amigo e outros poemas.

Versión de Alfredo González Vilela. Se queres escoitar esta versión, preme aquí.

Mai 102020
 

O meu cabelo é absolutamente negro

A minha pele é absolutamente branca

Linhas de ónix.

Lâminas de marfim.

Os meus dias som absolutamente negros.

As minhas noites som absolutamente brancas.

De dia, enquanto vivo, estás longe de mim.

De noite, enquanto sonho, comigo estás.

Carvalho Calero, R., (1990) Reticências

Versión de Batital en Youtube

Mai 092020
 

Un cabelo de anxo
pendurado do ceo,
se non é a espada de Democles
é adival para o espírito,
ximio equilibrista,
que, nel agareado,
pode arrandear sobre a terra
e crer que é a araña dun fío
tirado do seu propio miolo,
cordón umbilical que o vencella
o seu niño que está no azul.
Mais non sabemos
qué é o norte, qué é o sul,
o cenit e o nadir,
a vida e a morte,
a terra e o ceo,
cál é o metro que leva ao paraíso
e qué aeronave nos conduz ao inferno.

Carvalho Calero, R. (1952), Poemas pendurados dun cabelo

Alfredo González Vilela